O Que É Preciso Fazer De Verdade Para Emagrecer?

O Que É Preciso Fazer De Verdade Para Emagrecer?

A cada ano novo, embora você prometa que dessa vez irá fazer aquela dieta poderosa e eliminar os quilos que incomodam, a única coisa que muda verdadeiramente é a página do calendário.

Pode durar um ou dois dias, mas os velhos hábitos encontram um modo de fazer seu caminho de volta e se instalar em sua vida novamente, impedindo que você atinja o tão sonhado objetivo de um corpo que se enquadre nos padrões estéticos, ou, simplesmente, de cuidar da própria saúde.

Mesmo que você tenha tentado várias vezes, tudo quanto for tipo de dieta, das mais tradicionais às mais perigosas e radicais, os resultados foram pífios, ou perdidos em pouco tempo.

Contudo, isso pode ser considerado coisa do passado! Com a ajuda de grandes especialistas em saúde e nutrição para nos ajudar a traçar estratégias que, se seguidas, farão com que o seu objetivo seja atingido, de uma vez por todas, de forma simples e prática.

O Que É Preciso Fazer De Verdade Para Emagrecer?

O Que É Preciso Fazer De Verdade Para Emagrecer 1

3 dicas para emagrecer de verdade

Emagrecer de verdade é o caminho para ser feliz de maneira muito mais duradoura. Nós vamos te ajudar, oferecendo 3 dicas para lá de ideais, que servem a todos nós. Ficou curiosos? Então, confira!

1# – Carboidrato? Sim, por favor!

Muitas vezes, basta uma pessoa entrar de dieta que resolve parar, radicalmente, com todo tipo de pão, massa e até arroz, pensando que isso vai emagrecer a jato. Seria isso a melhor tática?

Como sempre, a resposta é: mais ou menos. Diversos estudos já expuseram que a redução drástica do elemento carboidrato dentro do cardápio do dia a dia pode provocar efeitos muito negativos, tais como: abalo do rendimento cognitivo e intelectual; mais cansaço – lembrando que uma das propriedades do carboidrato é dar energia às tarefas executadas pelo organismo; podendo chegar, até mesmo, à depressão.

Não bastassem todos esses elementos, ainda há o temido “efeito sanfona”, que consiste em um emagrecimento consistente, seguido de um ganho de peso corpóreo; o que normalmente ocorre com pessoas que sejam partidárias de dietas muito restritivas e/ou radicais.

Você então deve ficar se perguntando: como manter essas delícias na minha alimentação, e perder a barriga? Calma, vamos explicar!

Dentro do universo dos carboidratos, há escolhas a ser feitas, ou seja, deve ser escolhido o carboidrato “do bem”, ou seja, tanto o carboidrato simples – componentes de mel e de açúcar – quanto o refinado – pães brancos, arroz branco e biscoitos em geral – acabam exercendo a função indesejada: a de ampliar a sensação de fome.

Esse tipo de carboidrato libera grandes quantidades de açúcar na corrente sanguínea, sendo alguns dos principais vilões causadores do diabetes de tipo 2. O bom disso, é que se pode evitar a doença, via alimentação equilibrada e nutritiva.

Então a opção ideal podem ser os carboidratos integrais, com alto índice de fibra alimentar. Por exemplo: arroz branco pode ser trocado pelo arroz integral; o pão, também – que pode ser feito à base de centeio, aveia, fibras etc – cereais matinais, também integrais, ou mesmo, uma combinação entre aveia e linhaça dourada. Macarrão você pode, além dos integrais, escolher os de massa à base de arroz, que têm formulação bem mais leve. Pizzas, se não puderem ser de massa integral, o recheio deve ser vegetariano, ou algo nesse estilo. Assim, você não fica com fome, ganha nutrientes essenciais e ainda se delicia com seus pratos favoritos;

2# – E o doce? Pode, mas pela metade!

Todo mundo sabe o quanto é difícil resistir a um bom doce. Em geral, muito atraentes com suas caldas, cores alegres, texturas… Enfim, e ainda tem o chocolate, que é um caso à parte. O medo das pessoas que tem de fazer dieta é o de ter de largar permanentemente o doce. Isso não é certo, sendo possível combinar o desejo pelo doce a uma dieta adequada. O passo é: reduzir a ingestão de doces pela metade.

Isso é respaldado em pesquisas que apontam o seguinte fato: se formos extremamente radicais e cortarmos doces totalmente, a possibilidade de “assaltarmos” à geladeira, escondidos, à noite, ou de beliscarmos outras coisas e chegarmos até a desistir da dieta, aumenta consideravelmente.

Então, vamos lá: como unir o útil ao agradável no caso dos doces? Bem, para começo de conversa vamos pensar no caso daquelas pessoas – e mulheres falam que é o normal de seu sexo – que sentem desejo por doces todos os dias: é possível, sim, mas deve fazer essa opção em doses bem pequenas, porque, por mais que isso prejudique um pouco o processo de reeducação alimentar, será um desvio mínimo, que pode ser compensado com outros alimentos e opções – a porção indicada seria: duas unidades de biscoito recheado, uma unidade de bombom, banana passa com chocolate, 2 unidades de cookies de chocolate, 1 barra em miniatura etc.

A alternativa é a de colocar doces de forma mais “livre” em um dia na semana apenas. As aspas são porque na verdade não é um consumo à vontade, mas sim, com uma porção maior – taça com duas bolas de sorvete do tipo diet, mousse, barra maior de chocolate, de 50 g, e por aí vai.  O que não é indicado é a mistura de mais de um tipo de doce, como tortas de dois sabores, bolo com sorvete, entre outros. Uma boa alternativa é a de ingerir doces que sejam à base de frutas.

Ao fim, se não der mesmo para resistir ao doce, tente não comê-lo individualmente, divida-o com alguém, assim a ingestão de calorias será bem menor;

3# – Dia do lixo

Sabemos que, para começar a resistir à chamada junkfood – comida lixo – leva um bom tempo de disciplina e autocontrole mental. Só que esses alimentos industrializados reúnem o que de pior pode haver para o organismo.  Altas concentrações de sódio, gordura, condimentos, entre outros vilões da saúde do organismo humano.

Em suma: a recomendação é limitar, ao máximo, esse consumo. Aí vem a sugestão, porque não fazer, uma vez ou outra apenas, um momento para comer o que você mais gosta? Fazendo o seu, chamado, “Dia do lixo”, você consegue matar uma parte da vontade, sentir aquele sabor que nos “vicia” – e, segundo estudos recentes, esse termo não é força de expressão, porque grandes concentrações de sódio ou de açúcar realçam tanto o sabor da comida, que acabam provocando uma busca cerebral pelas sensações, mais vezes.

O número de vezes para se permitir essa “farra” não pode ser alto. No começo da dieta, pode ser uma vez por quinzena ou uma vez por mês. Quando sua dieta já estiver em estágio avançado, com boa parte da massa já eliminada, você pode aumentar para uma vez por semana, não mais que isso.

O Que É Preciso Fazer De Verdade Para Emagrecer?

Pesquisas que levaram a este artigo

  • preciso emagrecer o que fazer loc:BR (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *